10 de março de 2012

O bem que eu quero


Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Romanos 7.19

Não é nada fácil fazer o bem. Fazê-lo requer renúncia. Não fazemos o bem simplesmente porque queremos. Não somos bons por natureza. Depois da queda de Adão, o pecado passou a todos os homens. Então a partir daí, começa todo um processo que desencadeia em uma natureza pecaminosa. O homem então passa a estar desprovido da comunhão gloriosa com Deus, estando agora submisso a carne.

A Bíblia diz: Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Romanos 3.23, mas porque? Como acima citei: Por conta da queda de Adão, o que possibilitou aos homens um distanciamento, uma falta de uma profunda comunhão com o seu criador. Após isso, veja o que a Bíblia diz: Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Romanos 3.24-26

Somos justificados mediante a graça de Deus. Deus é quem nos escolhe, pois ninguém tem méritos diante Dele para dizer: Eu aceito o Senhor Jesus! Isso é como se tivéssemos domínio para resistir ao chamado de Deus. Embora também tenhamos escolhas, tudo está submisso a vontade de Deus. Então mediante o sangue de Cristo, hoje podemos então ter comunhão com o Senhor, nos aprofundarmos em um relacionamento sério de Pai e filho, o que o mundo não possui, pois satisfaz a sua carne e vive para a prática do pecado desenfreado.

Contudo, não devemos dizer que é fácil fazer o que nos é incumbido: fazer o bem! Nós, crentes, fomos resgatados por Deus dos laços das trevas, retirados das trevas e transportados para o reino do Filho do seu amor Colossenses 1.13, mas ainda temos atitudes pecaminosas dentro de nós, portanto, somos pecadores, porém redimidos por meio do sangue de Cristo. Isso nos dá o direito de continuar na prática do pecado, porque fomos resgatados mediante a graça de Deus? No capítulo 6 de Romanos, dos versículos 1-4, Paulo dirá que não, visto que agora, por meio do sepultamento do velho homem, agora devemos andar em novidade de vida, ou seja, praticando o que nos é estabelecido por Deus e andarmos em santidade sempre.

Um conflito que enfrentamos a cada dia na vida com Deus é acerca do fazer o bem. Como fazer o bem se o mal está em mim? Pois é! Não é nada fácil lutarmos contra o pecado, preferir renunciar a ele para vivermos em união com o nosso Deus, isso requer dores, requer agonia, angústias e sofrimento também. Sentimos que quando queremos fazer o que é bom, imediatamente sentimos uma força contrária que deseja nos impulsionar a fazermos o que não convém, eis aí o pecado, a força do pecado só pode ser vencida mediante a comunhão fortalecida com Cristo, senão, seremos sempre subordinados a ele, nos cabendo avaliar se realmente morremos para ele e vivemos, de fato, para Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!