19 de abril de 2012

Jesus no Getsêmani


Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se muito. Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo. Mateus 26.36-38

Se o Senhor Jesus estava angustiado até a morte, precisa-se de algo mais para dizer que era pesada a sua aflição? Nesse momento, Jesus aguardava a hora em que receberia um "beijo traidor" para que se consumasse aquilo que Deus, outrora, já havia determinado. No momento da aflição de Cristo, a angustia era tão profunda que ele já sentia a morte se aproximando, como ele mesmo relata no versículo 38 do capítulo 26 de Mateus.

O que sofremos, as nossas dificuldades, nossas enfermidades, tudo isso, não se compara ao sofrimento daquele que angustiou-se até a morte e morte de cruz, derramando o próprio sangue, para que aqueles a quem Deus chamou, se rendessem aos seus pés e viessem a crer que só Ele liberta e salva o homem das garras do inferno. Quando muitos problemas nos acometem, nossa percepção quanto a soberania de Cristo fica vazia, ficamos cegos pela falta de confiança Nele. Se as expressões de que amamos Jesus não forem realmente postas em práticas no momento do sofrimento, seremos facilmente açoitados por elas e caminharemos rumo a escassez de perseverança em Cristo.

Nossos sofrimentos não são e nem podem ser maiores que o que Cristo padeceu, pois Nele foram lançados todos os nossos pecados, as nossas dores, como já disse Isaías no capítulo 53. Não compreendamos que por meio desse feito de Cristo, o sofrimento sobre nós foi abolido, claro que não. Paulo já disse que todos que querem viver de forma coerente com a vontade de Deus, padecerão perseguições e também o próprio Jesus já disse que neste mundo nós iríamos ter aflições, mas que nos animássemos, pois Ele havia vencido o mundo.

E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres. Mateus 26.39

Quais ou quantos de nós atualmente temos coragem de clamar ao Senhor desta maneira? Sabendo que seria açoitado, humilhado perante muitos, Cristo, o nosso Senhor e Salvador não hesitou em obedecer ao que o Pai já havia lhe proposto. Nossa imundícia, nossa maldade,  nada disso nos permitiria pagar um preço como este em função da libertação de outras almas, cativas e oprimidas pelo mal.

No Getsêmani o Senhor Jesus sentiu angustia, angustia de morte, sabendo tudo quanto lhe haveria de sobrevir, a traição daquele que estava sempre junto a ele, comendo juntamente consigo o pão, tomando o vinho. Sabendo também que aqueles que sempre estavam ouvindo a palavra que Ele tanto ministrava, esses, haveriam de rebelar-se contra Ele, mas mesmo assim Ele disse:

E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade. Mateus 26.42

A obediência do nosso Senhor serve de exemplo primordial e vital para cada um de nós que dizemos servi-lo. Que analisemos como nos portamos quando estamos em aflição, que vejamos acima de cada uma delas, pelo menos essa, no momento ali no Getsêmani, onde Cristo já sentia aproximar-se a sua hora e que acima dessa circunstância, venhamos a contemplar que Ele morreu, ressuscitou e vive eternamente para a Glória de Deus! Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!