10 de maio de 2012

Suas obras demonstram fidelidade a Deus?


Confessam que conhecem a Deus, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda a boa obra. Tito 1.16

As pessoas tem o costume de se auto-denominarem boas, tanto que muitas acabam as contemplando como anjos de Deus, simplesmente porque elas estão apenas sendo observadas pelo seu próprio exterior e aí sabemos que o exterior não define o caráter de alguém, mas as suas atitudes irão falar bem mais alto.

Alguém pode não matar, mas de repente pode odiar, visto que ninguém está percebendo que ele sente ódio, pois isso se reflete no seu próprio interior e ninguém tem o poder para sondar o coração de outra pessoa. Nós devemos nos ponderar muito quanto ao nosso testemunho, quando ouvimos falar de vigilância parece que tentamos encontrar uma série de justificativas que comprovem que estamos bem centrados nela, que não precisamos de que alguém nos exorte, de que não venham até nós e nos repreendam, mas nos esquecemos que somos observados, acima de tudo e de todos, por aquele que contempla todos os moradores da terra, tanto maus quanto bons e também somos vistos por todos quantos nos rodeiam, são semelhantes a câmeras que estão prontas a executar o flagrante a qualquer momento.

Se nós praticamos o bem, todos nos vem assim o fazendo, se o praticamos o mau, da mesma forma alguém também o está vendo, não há como negar, porém não esqueçamos de que mesmo alguém não vendo, Deus não deixa de contemplar quais os passos que estamos seguindo. Em muitos casos as nossas práticas nos comprometem, fazem o nosso testemunho deixar a desejar e isso não convém a santos do Senhor, aos que realmente são separados para o serviço do Reino de Deus.

Não adianta proclamar mundo a fora que se tem a Deus como o tudo da vida e permanecer com um comportamento vil, cheio de imperfeições e abominações, as quais Deus nunca e esteve e nunca estará satisfeito. Saibamos que Deus se ira contra tais coisas e que jamais aprovará a dupla face de alguém.

Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados. Tito 1.15

A partir do momento que houve o resgate, por meio de Cristo, o pecador agora passa a ser purificado e purifica-se a si mesmo. Sua consciência já não anda reclinada ao prazer vão e inútil deste mundo, mas agora ele busca desesperadamente a mente de Cristo. Diferente daqueles que ainda continuam contaminados, esses são os que ainda se encontram insolentes a voz do Altíssimo, desobedientes e amantes de si mesmos e que saboreiam as delícias carnais e é claro que isso não convém e não pode ser associado aos santos do Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!