14 de dezembro de 2012

Confessar e se arrepender


Texto base: Salmo 51


Quem dentre nós não tem pecados? 

Essa foi uma das perguntas que Jesus fez àqueles que queriam apedrejar a prostituta. Nós somos cheios de pecados. Pecamos em pensamento, pecamos com o nosso olhar que muitas vezes cede espaço para a cobiça e daí vem a concupiscência e daí por diante, então dá espaço ao pecado. Nossa língua também não escapa dos erros, pois muitas vezes, muitos de nós tem proferido cada tipo de palavras que em grande parte são pecaminosas.

Acontece e deve acontecer algo com os crentes, diferente dos ímpios. Ao contrário dos ímpios, os crentes não podem mais satisfazer-se no pecado, pois foram libertos por Cristo. Se de fato isto aconteceu, então as obras infrutíferas da carne, os rudimentos do mundo, não mais tem espaço privilegiado em nossas vidas. Os ímpios podem até não pecar em determinados pontos, mas eles não discernem quanto a estarem caídos desde quando a pecaminosidade começou a exercer atuação no ser humano e por isso pecam, pecam e pecam, achando que tudo é muito natural, eles ainda não tiveram os seus olhos desvendados para saberem que se prosseguirem dessa maneira, seus passos estão caminhando rapidamente para a perdição eterna.


Mas o crente pode pecar? 

O fato de o crente pecar não se deve a ele se deliciar em pecar, pois ele sente e deve sentir tristeza só em saber que falhou contra o Senhor e imediatamente tende a recorrer aos pés de Cristo para lhe suplicar perdão. Agindo assim, ele visa andar em santidade, buscando servir a Deus com um coração restaurado. Porém o crente ainda possui um corpo corruptível, corpo esteve que sofre aflições, que passa por tentações e daí vem as batalhas da carne contra o espírito, porque ambos não se unem e nem tampouco podem unir-se. Porém, estando ele revestido da armadura do Senhor, empunhando o escudo da fé, ele estará apto para resistir as astutas ciladas do adversário (o diabo).

Na queda de Davi, quando pecou com Bate-Seba, ele reconheceu o seu pecado e não hesitou em arrepender-se. Nessa situação, Davi havia cometido um adultério, o que era e é totalmente contrário a lei do Antigo Testamento e também havia cometido outro pecado que foi o de assassinato, apesar dele não ter matado Urias, o esposo de Bate-Seba com as próprias mãos, ele tramou a sua morte, arquitetando como faria para ficar livre de Urias, assim agindo como alguém que intenta contra a vida de outra pessoa.

Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar. (Vs. 4)

Aqui o salmista expressa a sua culpa diante do Senhor e também reconhece que o juízo de Deus estava contra o seu pecado. É um passo importante que devemos dar diante das nossas iniquidades. Não nos é necessário ir a um confessionário e contar os nossos pecados a alguém, mas devemos ir aos pés do Senhor lhe suplicar perdão. Se desejarmos pedir o auxílio do pastor, ou a um irmão da igreja para nos assistir na nossa fraqueza, para que o(a) amado(a) irmão(ã) nos auxilie em oração e se for necessário venha a nos repreender, exortar, que assim seja feito para o louvor e para a Glória de Deus, mas essa não é uma regra geral e devemos compreender e crer que só o Senhor pode perdoar pecados.

Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. (Vs. 10)

Precisamos clamar ao Senhor que nos dê a direção correta acerca de tudo em nossas vidas para que não venhamos a andar em veredas tortuosas, mas antes, andarmos prudentemente, em santidade, todos os dias perseverando na sã doutrina.

Restitui-me a alegria da tua salvação e sustenta-me com um espírito voluntário. (Vs. 12)

Quando há a prática do pecado, então a tristeza começa a adentrar a vida do homem e pretende ganhar espaço. Porém se ele se arrepender e buscar a comunhão com o Senhor, então a situação passará a mudar. Um relacionamento com Deus que preza pela comunhão firme com Ele e que visa lhe obedecer e servi-lo com alegria, esse prospera.

Sacrifícios agradáveis  a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus. (Vs. 17)

Quando há um arrependimento genuíno, então deve-se ter a certeza de que o Senhor ouve dos céus e sara as dores da alma angustiada. Devemos ter um coração mais firmado na Rocha, um coração que não se demova por nenhum tipo de vento de doutrina e que não se deleite no "prazer carnal", que ame estar mais um dia nos átrios do Senhor do que em qualquer outro lugar mil. Até que cheguemos a estatura de varão perfeito, seremos aperfeiçoados pelo Senhor, porém não devemos esmorecer nessa tarefa, mas antes, ansiarmos pelo derramamento do seu Espírito sobre nós e pela sua vinda gloriosa e que possamos ser achados vigilantes, nos apresentando ao Senhor aprovados como obreiros que não tem de que se envergonhar e que manejamos bem a Palavra da Verdade. É importante confessarmos os nossos pecados ao Senhor para que a sua misericórdia venha a nos restaurar e que venhamos a resistir as tentações, não pela nossa própria força, mas pela Espada Poderosa que é a Palavra de Deus e pelo Espírito Santo que nos reveste de força e ousadia e nos inclina a buscarmos andar em santidade.

Que o Senhor dos Exércitos tenha misericórdia de nós. A Ele a Honra, a Glória e o Louvor para todo o sempre, amém.

Referência

Bíblia de Estudo de Genebra. 2. ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblia do Brasil; São Paulo: Cultura Cristã, 2009.
1984p.; 24cm.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!