31 de dezembro de 2012

O pecado e os seus efeitos


Texto base: Tiago 1.13-15

Constantemente somos tentados. De um lado e do outro, as tentações estão por toda parte. No convívio com pessoas, no passeio, no trajeto ao trabalho, no próprio trabalho, na faculdade, na internet, na TV, em todas as circunstâncias e lugares, estamos expostos as tentações. Um problema grave é querer atribuir essas tentações a Deus. Tiago disse que há uma diferença muito grande entre provação e tentação. Vejamos:

Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam. (Tiago 1.12)

Deus nos prova sim, não há dúvidas e nem podemos duvidar, mas o fim dessas provações é expor as nossas qualidades para nos moldar. Quanto as tentações, estas não vem da parte do Senhor, mesmo sabendo que Ele é soberano sobre todas as coisas. Mas o Senhor permite que Satanás faça as suas obras más. Mas então, porque Deus permite que Satanás nos tente?

Lembra quando Jesus foi tentado? Os diversos argumentos (embasados na Bíblia) que ele (o diabo) utilizou para tentar a Jesus? E para que? Para ver se tentando-o o levaria a abdicar de sua posição superior (Rei dos reis e Senhor dos senhores). Em Jó nós vemos que o diabo se apresentou perante Deus testemunhando contra Jó, porém Deus lhe permitiu tocar naquilo que ele (Jó) possuía, mas não na sua vida e mesmo com todas as perdas e em seguida a doença, Jó continuou permanecendo fiel ao Senhor.

Devemos refletir também que nosso corpo também é carne e esta não se converte, pois ela é má, cheia de perversidades, ela se inclina para o que é mau, tanto que a Palavra do Senhor nos diz que o Espírito milita contra a carne e que ambos são opostos entre si, para que não façamos o que porventura seja do nosso querer. Devemos estar revestidos da armadura do Senhor, devemos estar vigilantes, andando em espírito, andando na luz como redimidos por Cristo.

Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. (Vs. 14)

A cobiça é um pecado que também está registrado nos dez mandamentos: Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma que pertença ao teu próximo. (Êxodo 20.17)

Nesse caso, nós vemos o mandamento referente a cobiçar as coisas do próximo, mas cobiçar em sentido amplo é pecado. Contemplar as coisas más deste mundo e não buscar se desviar delas é estar totalmente passivo de uma ou de várias quedas. Nosso corpo é corruptível, apesar da restauração proporcionada por Cristo, pelo derramamento do Seu Sangue sobre nós, a carne permanece em guerra contra o espírito e dessa maneira temos que nos esforçar para lutarmos com as armas de Deus.

Lembra o que houve com o rei Davi? Quando contemplou Bate-Seba tomando banho e viu que ela era formosa? Davi ali já havia começado a sentir o desejo de possuir a mulher de Urias que era o seu soldado. Davi pecou: cobiçando, adulterando e matando. (2 Samuel 11)

Talvez pensemos que muitas coisas que fazemos estão as escuras diante dos olhos de Deus. Isso é um engano da nossa parte. Talvez pensemos que podemos pecar enquanto Cristo não volta, pois já somos salvos mesmo! Daí devemos nos perguntar: Uma vez salvos, salvos para sempre?

O pecado se não combatido pelo poder de Deus, destrói todo e qualquer ser humano. Ele prejudica a pessoa em diversas áreas de sua vida e é o impedimento de uma comunhão mais firme com Deus, em busca da santidade, pois sem santidade não há como vivermos corretamente diante de Deus e nem como busca-lo verdadeiramente.

No capítulo 12 de 2 Samuel, vemos que Deus enviou o profeta Natã a Davi e este lhe falou o que ele havia feito. Depois de tudo, Davi disse: Pequei contra o SENHOR. (2 Samuel 12.13a) e Natã lhe respondeu: Também o SENHOR te perdoou o teu pecado; não morrerás. (2 Samuel 12.13b), mas vemos as diversas consequências dos pecados de Davi e isso  implicaria, mediante a lei do Antigo Testamento, na morte dele.

Porém apesar dos erros cometidos pelo rei Davi, este reconheceu suas falhas, que houvera cometido gravemente. Diante disso, vemos então o Salmo 51, onde ele derrama a sua alma arrependida perante os pés do Senhor. Dentre uma das declarações de arrependimento de Davi, ele pede ao Senhor: Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. (Salmo 51.10)

Nós precisamos deixar de lado todo o embaraço que nos tem feito caminhar em desacordo com aquilo que o Senhor quer para nós. Nossa vida não nos pertence mais, ao menos que continuemos a nos considerar "senhores" de nós mesmos, fazendo tudo quanto vem a mente para fazermos e que resultará em entristecer o coração de Deus e consequentemente em sermos afligidos pelas nossas próprias transgressões.

Que o Senhor tenha misericórdia de nós.


Referência
Bíblia de Estudo de Genebra. 2. ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblia do Brasil; São Paulo: Cultura Cristã, 2009.
1984p.; 24cm.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!