6 de fevereiro de 2013

Não há como se esconder de Deus

Texto base: Jonas 1

A tarefa foi dada a Jonas. Ele teria de ir a Nínive dizer para esta que deveria arrepender-se. Porém Jonas não respondeu a altura do que Deus estava lhe ordenando e assim, preferiu traçar sua própria rota, que foi a mais dolorosa. Jonas se dispôs para ir a Társis, querendo fugir da presença de Deus. (Vs. 3).

Nesses dias de hoje, nossas vidas não diferem tanto da situação de Jonas. Quantas vezes Deus nos tem dado ordens (a sua própria Palavra) e temos negligenciado a obediência para com a sua Palavra? Quanto a vivência autêntica, andar em santidade, meditar na sua lei de dia e de noite? Temos um padrão correto de obediência para com Aquele a quem chamamos de Senhor e Salvador? Ou simplesmente estamos fazendo como Jonas, buscando traçar o nosso próprio caminho?

Enquanto Jonas foi desobediente ao Senhor, o capítulo 1 desse livro nos mostra que ele (Jonas) colheu do que plantou (sua desobediência para com Deus). Jonas estava num navio, querendo se desviar da ordem dada por Deus e nisso estava pondo em risco tanto a sua vida quanto as outras vidas que estavam ao seu redor neste navio. O mar tempestuoso e bravio só cessou o seu furor quando Jonas disse àqueles homens que lançando-lhe ao mar, este se acalmaria e foi assim que os homens fizeram. Mas para Jonas ainda viria um momento de agonia: Deparou o SENHOR um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe. (Vs. 17)

Nos próximos capítulos, veremos que Jonas reconheceu o seu erro, a sua desobediência lhe custou muito, mas ele fez o que é fundamental e serve de exemplo para todos nós: se arrependeu. Deus ouviu o clamor de Jonas e lhe livrou do grande peixe.

Essa de querer se ausentar (fugir) da presença de Deus é perca de tempo. Veja o que o salmista diz: Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nos confins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destra me susterá. (Salmo 139.7-10).  Logo, podemos perceber que aonde quer possamos ir, Deus nos observa. Certa vez, o Max Lucado disse: Quem disse que disse que Deus está preso ao corpo? (Minha paráfrase). Ele é Deus!

Devemos compreender também (quanto a nossa responsabilidade de viver e anunciar o Evangelho do Senhor) que Deus é quem realiza todas as coisas para o Louvor da sua Glória. Devemos proclamar a sua Palavra, devemos clamar a Ele que nos use para anunciar o seu Santo Evangelho, sem temer, pedindo-lhe sabedoria, clamando também por andarmos em santidade, pois: assim será a palavra que sair da minha boca: não tornará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei. (Isaías 55.11). De tal forma ela (a Palavra de Deus) pode penetrar no íntimo do ser humano que transformará a sua miséria de vida em vida verdadeira (conhecendo a Cristo). Cabe a nós não tentar fugir da presença do Senhor (que é impossível), mas atender ao chamado e poder dizer-lhe: Aqui estou para te obedecer Senhor, conta comigo.

Deus tenha misericórdia de nós.


Referência
Bíblia de Estudo de Genebra. 2. ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblia do Brasil; São Paulo: Cultura Cristã, 2009.
1984p.; 24cm.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!