22 de dezembro de 2014

Reivindicando perante Deus


Nos dias atuais observamos manifestações (na grande maioria violentas) em função de reclamar os direitos de grupos da sociedade, o que não é incorreto de fazer. Vemos algumas alas da sociedade reclamando por direitos que não possuem valores corretos primeiramente perante a Palavra de Deus, mas também perante a lei, mas ainda assim caso a lei regida pela constituição abra brecha, tais direitos podem ser reclamados.

Falaremos sobre a situação de Jó, um homem de Deus, temente a ele e que se desviava do mal. A história dele certamente é bem conhecida por aqueles que tem a dedicação por ler as Sagradas Escrituras.

Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Jó 38. 4

Jó anteriormente já havia passado por situações dolorosas, chegando até a criticar a sua existência. Ele também buscava justificar-se a si mesmo em alguns momentos.

Agora como Jó iria responder a algo que remetia aos primórdios da fundação do mundo? Nos fazendo participantes também desse questionamento, quem de nós poderia replicar a Deus diante da questão citada?

Por mais eloquentes, supostos conhecedores que sejamos de determinados assuntos, nós não possuímos conhecimento ilimitado acerca das coisas. Somos minúsculos perante a majestade de Deus.

Então Deus mostra a Jó que este é ignorante. Deus é imenso e maravilhoso em seus feitos. Os capítulos 38 e 39 são cheios de questionamentos de Deus os quais a nenhum Jó pôde responder. Frente a tais questões, Jó teve de reconhecer:

Jó 40.4 Sou indigno; que te responderei eu? Ponho a mão na minha boca. 5 Uma vez falei e não replicarei, aliás, duas vezes, porém não prosseguirei.

Isso é reconhecer a grandeza e autoridade de Deus e se tornar humilde. Nós não temos como argumentar contra ele, não temos como reivindicar algo perante Deus. Não temos razões para questioná-lo acerca dos acontecimentos dolorosos que nos sobrevém. Quando atentamos para a sua majestade e o seu domínio, observamos que tudo e todos estão sob a sua potente mão e que nada foge ao seus controle.

Precisamos nos humilhar aos pés de Deus, precisamos nos lançar a ele com confiança de que em tudo ele sabe o que é melhor para nós e que como sempre temos ouvido a sua vontade é boa, agradável e é perfeita.

Para encerrar observando tamanha autoridade e soberania:

Quem primeiro me deu a mim, para que eu haja de retribuir-lhe? Pois o que está debaixo de todos os céus é meu. Jó 41.11

Então, daremos algo ao dono de todas as coisas?

Finalizando e reconhecendo mais uma vez a autoridade de Deus:

Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Jó 42.2

Cheguemos humildemente aos pés de Deus, rogando-lhe por misericórdia e pedindo que nos faça seus servos e que ainda quanto fizermos digamos: somos servos inúteis pois fizemos apenas o que o Senhor nos mandou. Não reivindiquemos nada perante ele, pois o que ele tem para nós nos será dado no tempo certo mediante a sua vontade gloriosa.

Glória a Deus!

Alex Salustino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!