12 de julho de 2017

A vergonha de professar a fé em Cristo


João 12.42 Contudo, muitos dentre as próprias autoridades creram nele, mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga; 43 porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus.

Todo ser humano já tem dentro de si, por natureza, o anseio pelo destaque, pelo reconhecimento. Nos dias de hoje é comum, no ambiente de trabalho, por exemplo, a busca pelo reconhecimento (melhor funcionário, o destaque), coisas até certo ponto naturais, visto que é uma cultura propagada e que perpassa os anos.

Mas o que advém dessa atitude?

Em busca disso, muitas pessoas tem se distanciado de Deus, ferido seus semelhantes, destruído relacionamentos e sofrido as sequelas.

Remetendo-nos ao texto de João 12, percebemos que as próprias autoridades creram na Palavra proferida por Jesus e temos exemplos, como Nicodemos que foi ter com ele e desfrutou de um momento precioso, vendo a exposição de questões necessárias às quais ele não compreendia (João 3).

Certamente que para uma autoridade da época, seria totalmente inviável e desprezível dar crédito a quem “afrontasse” sua doutrina, disseminando algo totalmente controverso. Isso seria punido até mesmo com a morte.

Mais tarde, ainda vemos o mesmo Nicodemus buscando contradizer os sacerdotes e fariseus sobre um tipo de juízo sem coerência, pois sequer queriam ouvir Jesus.

João 7.50 Nicodemos, um deles, que antes fora ter com Jesus, perguntou-lhes: 51 Acaso, a nossa lei julga um homem, sem primeiro ouvi-lo e saber o que ele fez? 52 Responderam eles: Dar-se-á o caso de que também tu és da Galileia? Examina e verás que da Galileia não se levanta profeta. 53 [E cada um foi para sua casa.

Mas ainda assim, é provável que Nicodemos cresse em Jesus ainda que de forma oculta.

Fazendo um paralelo com os dias atuais, muitos de nós fazemos algo semelhante. 

Pesamos de forma superficial nosso testemunho não levando em consideração nossas responsabilidades como cristãos. Uma saudação sequer é pronunciada com alegria, com responsabilidade porque há o temor e a vergonha de que alguém saiba que somos cristãos.

Para a atualidade, diante de tantos escândalos, é provável que sejamos taxados de caretas, tolos e etc. Então para não sermos expostos, melhor não correr o risco e ficar de boca fechada.

Muitas vezes nos calamos diante da propagação do erro e da imoralidade. Sorrimos, nos omitimos, fazendo-nos participantes da incoerência deste mundo.

Até mesmo entre cristãos, nos dias atuais, é possível de forma individual ou em grupo, constatar pessoas se parecendo mais com o mundo do que com Cristo, buscando glória uns dos outros.

É mais fácil respeitarmos e servirmos aos patrões, as autoridades jurídicas e outras. Certamente porque sabemos que podem nos advir consequências dos atos contrários, sendo caracterizada a desobediência.

Tudo isso é para que nossos olhos sejam abertos, levando em consideração que Deus não se deixa enganar. Se nos envergonharmos dele, perante alguém, perante este mundo, ele conhece a cada um de nós e sabe como nos tratar e o que nos está reservado mais adiante.

Outra coisa é que se assim procedermos, iremos incorrer no mesmo erro dos que criam em Jesus, mas não manifestavam: João 12.43 porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus.


Deus tenha misericórdia de nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alex Salustino

Alex Salustino
Cristão resgatado pelo precioso sangue de Cristo! Bibliotecário, blogueiro, músico, fotografo amador, graduando em marketing, proprietário da Alex Artes Gráficas. Sou o responsável por administrar o Pregando o Evangelho. Deus te abençoe!